NÚCLEOS DE PESQUISA

O Grupo de Estudos de Defesa e Segurança Internacional foi fundado a 25 de agosto de 2001, na Faculdade de História, Direito e Serviço Social, da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquista Filho" (Unesp), no campus de Franca, por iniciativa de um grupo de professores e alunos interessados no tema da Paz, da Defesa e da Segurança Internacional. Constitui-se como Grupo Acadêmico dentro da estrutura da Universidade, e foi o primeiro do campus de Franca a ser reconhecido pelo Conselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento (CNPq) como grupo de pesquisa.

O Instituto de Estudos Econômicos e Internacionais é um centro multidisciplinar de reflexão e análise sobre as questões econômicas e internacionais, concebido e fundado por Gilberto Dupas em 2002 e liderado por ele até sua morte, em fevereiro de 2009.

O Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Estudos sobre os Estados Unidos está voltado precipuamente à análise das relações exteriores do Estado norte-americano. Dada a centralidade desse país no sistema mundial, o escopo do Instituto é bastante amplo. Como os Estados Unidos há muito definem seus interesses em perspectiva global, o trabalho do Instituto envolve consideração dos regimes internacionais e dos contextos regionais em que se exerce a ação do Estado norte-americano.

O OPEU é um portal eletrônico e um banco de dados voltado para política doméstica e externa dos Estados Unidos. Seu objetivo não é concorrer com veículos jornalísticos, mas desenvolver um canal para difusão de informação e de conteúdo analítico sobre eventos relevantes da atualidade.

Um Núcleo de Estudos para dialogar com o mundo em que vivemos, com o sistema internacional de Estados, seus atores e processos, seus temas e problemas, as ideias que nele circulam. Queremos contribuir para analisá-lo em seus múltiplos aspectos: tudo o que pulsar na cena mundial nos interessará. O Brasil, sua política externa e seu lugar no sistema internacional terá lugar cativo em nossas inquietações. Assim também a América Latina, uma e diversa como sempre.

Nascemos no âmbito do Instituto de Políticas Públicas e Relações Internacionais-IPPRI, da Universidade Estadual Paulista-UNESP, instituição que reúne alguns centros de pesquisa e o Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas (UNESP, PUCSP, UNICAMP). Pretendemos funcionar antes de tudo como um grupo de estudos e pesquisa. Mas também almejamos  fazer do NEAI uma câmara de eco de nossas investigações e daquilo com que interagirmos e viermos a conhecer. Nosso batismo é acadêmico, mas não pretendemos atuar só academicamente: desejamos nos relacionar de forma ampla e dinâmica com a opinião pública e com pessoas interessadas nos temas da sociedade, da cultura e da comunidade política mundial. Sempre que possível, sem linguagens cifradas. Mas sempre de maneira plural e teoricamente referenciada.

A proposta do grupo é monitorar os conflitos internacionais, por meio de uma abordagem interdisciplinar da violência na contemporaneidade, mas com foco na sociologia histórica, levando em consideração a dinâmica dos processos e atores transnacionais. Propõe-se um espaço de reflexão e elaboração de análises que contribua para a pluralidade na produção científica no campo das Relações Internacionais.

Visamos criar um espaço de leitura e reflexão teórica sobre os processos de violência hodiernos; proporcionar a troca de experiência entre membros do grupo nas diversas propostas de pesquisa; e a produção de análise conjuntural especializada.

Logotipo sem a REPRI.jpeg

O Observatório de Regionalismo é um grupo de extensão e pesquisa que se dedica ao estudo do fenômeno do regionalismo na ordem internacional.  A iniciativa foi lançada em 2015, pelo corpo discente do Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais (PPGRI) "San Tiago Dantas" (STD) (UNESP, UNICAMP, PUC-SP) sob liderança da Profa Dra Karina Mariano (UNESP), como espaço de investigação e diálogo entre pesquisadores, especialistas, alunos e professores, cujo objetivo é fomentar o debate sobre iniciativas regionais de integração e cooperação.  Atualmente, o Observatório de Regionalismo é coordenado pelo Prof. Dr. Cairo Junqueira (pós-doutorando do PPGRI), e conta com a vice-coordenação da Profa Dra Regiane Nitsch Bressan (UNIFESP e PPGRI).

Inicialmente com maior foco nos processos vigentes nas Américas, o Observatório de Regionalismo estuda e analisa também as demais regiões do mundo, como Europa, África e Ásia, empregando a metodologia do regionalismo comparado em grande parte de suas pesquisas.

Através de parcerias e atividades conjuntas com outras Universidades e Instituições Acadêmicas do país, o grupo se insere em redes nacionais e internacionais de pesquisa, como a REDE DIPP (Brasil), Projeto Jean Monet e UNU-CRIS (Bélgica), Projeto EU-LAC (União Europeia), GRIDALE (Colômbia), CRIES (Argentina) e FOMERCO (Brasil). 

logo nets.png

O Núcleo de Estudos Transnacionais da Segurança (Nets) foi criado em 2019 a partir do Grupo de Estudos sobre Conflitos Internacionais (GECI). Vinculado ao Programa San Tiago Dantas de Pós-Graduação em Relações Internacionais e ao Mestrado Profissional em Governança Global e Formulação de Políticas Internacionais da PUC-SP, o núcleo é composto por docentes pesquisadores de diferentes instituições, bem como por discentes pesquisadores da PUC-SP de diferentes graus acadêmicos (graduação, mestrado, doutorado) interessados na dimensão transnacional da (in)segurança contemporânea.

O objetivo do Nets é acompanhar a evolução da produção dos membros, principalmente discentes, e investir em produções acadêmicas, inclusive conjuntas, além criar uma rede de pesquisa que articule temas relacionados à transnacionalidade da criminalidade, das drogas - sua proibição e regulação - e dos mecanismos de segurança contemporâneas.

NERI.png

Acesse aqui o site do NERI

O Núcleo de Estudos em Relações Internacionais (NERI) se dedica à compreensão das dinâmicas contemporâneas de governança global, com destaque para os debates atuais sobre multilateralismo, regionalismo e temas relacionados à economia política internacional, direitos humanos, meio ambiente e migrações internacionais.

As atividades do NERI buscam compreender os diversos atores e processos associados à agenda da governança, dentre os quais: a difusão hegemônica de normas internacionais; o papel dos países do Sul e emergentes; a interação entre políticas em escalas múltiplas e sobrepostas (internacionais, regionais, nacionais e locais); e a inclusão de atores privados e da sociedade civil em arranjos internacionais menos formalizados, o que se revela tanto empiricamente, quanto nos debates teóricos sobre a crise do multilateralismo clássico e a emergência de regimes "híbridos", "flexíveis" ou "policêntricos".

O NERI é um grupo de pesquisa certificado no Diretório do CNPq.